fbpx

Blog

Melhores tratamentos para incontinência urinária

Melhores tratamentos para incontinência urinária

Este texto explica o que é e quais os tipos de incontinência urinária, como é feito o diagnóstico, melhores tratamentos para incontinência urinária, cirurgias e como é a recuperação.

O que é Incontinência Urinária

Incontinência urinária é a perda involuntária de urina.

 

Segundo a Sociedade Brasileira de Urologia (SBU), estima-se que 40% das mulheres na menopausa perdem urina de forma involuntária, com intensidade variável.

 

No Brasil, são mais de 10 milhões de pessoas com algum tipo de incontinência urinária. A incidência maior acontece entre as mulheres e idosos. 

Tipos de incontinência urinária

Existem diversas causas para a perda de urina entre as mulheres, mas as três principais causas são:

  • Hiperatividade do detrusor (bexiga hiperativa);
  • Defeito esfincteriano;
  • Hipermobilidade do colo vesical (bexiga caída).

Hiperatividade do detrusor

Detrusor é o nome dado para o músculo da bexiga, responsável pela contração da bexiga.

 

A contração da bexiga, associado ao relaxamento do esfíncter da uretra, são os responsáveis pelo esvaziamento da bexiga.

 

Algumas doenças podem determinar a contração da bexiga em momentos inapropriados, fazendo com que o paciente apresente uma sensação súbita de vontade de urinar e, algumas vezes, ocasionando a incontinência urinária.

Defeito esfincteriano

O defeito esfincteriano é uma causa muito comum de incontinência urinária, sendo o sintoma mais comum a perda de grandes quantidades de urina quando a paciente faz alguma forma, ri, tosse ou espirra.

Hipermobilidade da bexiga (bexiga caída).

O excesso de mobilidade da bexiga pode determinar incontinência urinária, mas geralmente a intensidade da perda de urina durante os esforços não é tão intensa quanto a Gravidez;

Outras causas de incontinência urinária

  • Atrofia genital;
  • Infecção do trato urinário;
  • Doenças que comprimem a bexiga, como miomas de grandes dimensões ou tumores pélvicos;
  • Obesidade;
  • Estresse emocional;
  • Lesões no sistema nervoso, como tramas na coluna e acidente vascular cerebral (AVC).

Como é feito o diagnóstico

O diagnóstico de incontinência é feito pela história clínica e por um exame físico detalhado, buscando identificar as causas anatômicas que podem ser responsáveis pela incontinência urinária, tais como o prolapso uterino e a cistoce (bexiga caída).

 

O exame mais importante para se definir o tipo de incontinência urinária é o estudo urodinâmico.

 

O estudo urodinâmico permite identificar as contrações involuntárias da bexiga (bexiga hiperativa) e sua relação com a perda de urina e sensação de urgência miccional.

 

É possível ainda graduar a pressão a partir do qual ocorre a incontinência urinária, informação fundamental, para se decidir se o tratamento será medicamentoso ou cirúrgico.

 

A ultrassonografia 3D do assoalho pélvico é um exame indicado para a quantificação dos defeitos anatômicos, como a hipermobilidade do colo vesical, investigação de prolapsos genitais e no controle pós-operatório.

Medicamentos para incontinência urinária

Os medicamentos para a incontinência urinária são principalmente indicados quando a causa da perda de urina é a hiperatividade do músculo detrusor (bexiga hiperativa).

 

A cirurgia nesta situação não é indicada e pode até piorar a perda de urina e a sensação de urgência miccional.

 

Os principais medicamentos são a oxibitinina, tolderodina, solifenacina e a dariferacina.

 

Em algumas situações é possível a administração de toxina botulínica no interior da bexiga.

 

A terapia de reposição hormonal em mulheres na menopausa pode em alguns pacientes trazer uma melhora significativa da perda de urina, principalmente naquelas mulheres em que os sintomas começaram após a menopausa.

 

A terapia de reposição hormonal pode ser administrada por via oral, transdérmica ou vaginal.

 

A via oral e transdérmica apresenta efeitos sistêmicos e a via vaginal somente local. Todas são efetivas para a incontinência urinária por atrofia genital.

Fisioterapia e exercícios de pompoarismo

A fisioterapia pélvica e os exercícios de pompoarismo são medidas eficazes para a incontinência urinária leve e podem ser utilizadas juntamente com as demais medidas clínicas.

 

Quando os exercícios são suspensos, os sintomas habitualmente retornam.

Laser e radiofrequência para incontinência urinária

Uma alternativa muito eficaz para a incontinência urinária leve, são os tratamentos através da aplicação de laser ou radiofrequência.

 

Geralmente são necessárias entre três e quatro sessões, com intervalos entre 2 e 4 semanas entre as aplicações.

 

O procedimento é indolor e habitualmente são necessárias novas aplicações, uma vez por ano.

Cirurgia para incontinência urinária

Um dos melhores tratamentos para incontinência é a cirurgia para incontinência urinária, indicada quando a causa da perda de urina é o defeito esfincteriano e nas lesões de hipermobilidade do colo vesical (bexiga caída).

 

Apresenta eficácia muito alta na resolução dos sintomas, dependendo da técnica cirúrgica utilizada.

 

As cirurgias mais indicadas atualmente são as que utilizam faixas sintéticas e a cirurgia de Burch, que pode ser realizada por via minimamente invasiva ou por corte semelhante ao da cesárea.

 

As cirurgias para incontinência urinária têm duração entre 15 minutos e 01 hora, dependendo da técnica empregada e as chances de complicações são pequenas.

Como é a recuperação da cirurgia

A alta hospitalar é sempre realizada no mesmo dia da cirurgia e a recuperação completa acontece em 15 dias. Relações sexuais são permitidas apenas após 40 dias da cirurgia.

Complicações da cirurgia para incontinência urinária

Dificuldade para urinar ou esvaziar completamente a bexiga;

Aumento da vontade para urinar;

Infecções urinárias de repetição;

Dor durante a relação sexual;

Exposição da faixa utilizada para a correção da incontinência urinária pela vagina.

Tenho incontinência urinária. O que devo fazer

Consulte um médico com experiencia no diagnóstico, tratamento clínico e cirúrgico da incontinência urinária.

 

Na maior parte das vezes o tratamento inicial é clínico e, na falha dos tratamentos clínicos, a cirurgia será indicada.

 

Melhores tratamentos para incontinência urinária

Agora que você já sabe um pouco sobre incontinência urinária, conheça o Dr. Fernando Guastella e agende uma consulta.

 

 

                                                      kyleena

 

 

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp

Cuide-se.
Tire todas as
suas dúvidas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *