Blog

Pólipo endometrial: dos sintomas ao tratamento

Ginecologista especialista em pólipo endometrial

Pólipo endometrial: dos sintomas ao tratamento

Neste texto vou explicar o que é pólipo endometrial, sintomas, diagnóstico, risco de malignidade e tratamento.

O que é pólipo endometrial

Pólipo endometrial é um tumor benigno que cresce no interior da cavidade uterina, ou seja, no endométrio.

 

É uma doença muito comum, sendo que 10% das mulheres irão ter algum pólipo ao longo da vida.

Diferença entre pólipo endometrial e pólipo endocervical

O pólipo endometrial ou pólipo uterino é um nódulo formado por tecido endometrial, que responde a estímulos hormonais, principalmente o estrogênio.

 

O pólipo endocervical é formato por tecido do canal endocervical e não responde aos estímulos hormonais.

 

Os pólipos endocervicais podem ser identificados nos exames de ultrassonografia, no exame físico ou na colposcopia.

 

O risco de malignidade dos pólipos endocervicais é muito menor que dos pólipos endometriais.

 

Pólipo endometrial na hisperoscopia
Pólipo endometrial na hisperoscopia

Sintomas do pólipo endometrial

Os sintomas do pólipo endometrial são:

Nem todo pólipo endometrial determina sintomas, algumas vezes podem ser achados nos exames complementares.

Fatores de risco para pólipo endometrial

Os fatores de risco para o surgimento dos pólipos são principalmente hormonais, como ciclos anovulatórios e uso de tamoxifeno, porém, muitas vezes não se encontra o motivo do aparecimento do pólipo.

 

Outros fatores de risco incluem obesidade, hipertensão, diabetes e terapia de reposição hormonal somente com estrogênio.

Diagnóstico

O diagnóstico do pólipo endometrial na maior parte das vezes é realizado por meio do ultrassom transvaginal.

 

É muito importante para o diagnóstico do pólipo endometrial, que a mulher esteja na primeira fase do ciclo menstrual, ou seja antes da ovulação, pois o endométrio neste momento é cinza escuro e o pólipo é branco, o que facilita o diagnóstico pela ultrassonografia.

 

Os melhores dias para a realização do ultrassom transvaginal para diagnóstico do pólipo é entre o 6° e o 12° dia do ciclo menstrual, lembrando que o primeiro dia da menstruação é o primeiro dia do ciclo.

 

Quando o exame é realizado após a ovulação, é possível que a ultrassonografia não identifique o pólipo, ou tenha dúvidas quando ao diagnóstico e, nesta situação, deve-se repetir o exame após a menstruação.

 

O melhor exame para o diagnóstico do pólipo endometrial é a histeroscopia, que consiste na introdução de uma câmera, através do colo uterino. 

 

A histeroscopia pode ser feito ambulatorialmente.

 

A ressonância magnética, histerossalpingografia e a histerossonografia são exames que também podem identificar o pólipo endometrial.

 

pólipo endometrial e câncer
Pólipo endometrial identificado na ultrassonografia, identificado na ponta da seta banca.

 

Espessamento endometrial

Algumas vezes os exames por imagem podem mostrar somente um espessamento endometrial.

 

A causa mais comum de espessamento endometrial é o pólipo, porém outras doenças podem se manifestar por espessamento endometrial, como a hiperplasia do endométrio, câncer de endométrio e o mioma submucoso.

 

Para esclarecer o espessamento endometrial, a histeroscopia ambulatorial deve ser realizada.

Risco de câncer

O risco de um pólipo endometrial ser ou estar associado ao câncer de endométrio depende de alguns fatores.

 

Na presença de sintomas como o sangramento aumentado em mulheres na menacme ou o sangramento na menopausa o risco de câncer é ao redor de 5%.

 

Nas pacientes assintomáticas o risco de câncer é ao redor de 1-2%.

 

Menopausa, tamanho do pólipo, espessura endometrial, tipo e intensidade de vascularização e a história clínica são fatores que devem ser avaliados e que contribuem para o risco de malignidade.

Pólipo endometrial e infertilidade

Os pólipos endometriais não estão entre as causas mais comuns de infertilidade, sendo controverso a retirada antes de procedimentos de reprodução assistida.

 

Não há muita dúvida sobre a retirada em mulheres com abortamentos de repetição ou falhas de implantação em procedimento de reprodução assistida.

 

O que acontece na maior parte das vezes quando se identifica um pólipo e a mulher pretende engravidar, é a retirada cirúrgica, para diminuir a possibilidade de complicações como a falha de implantação e o risco de abortamento, além de excluir a possibilidade de malignidade.

Tratamento para pólipo endometrial

O tratamento para o pólipo endometrial é a retirada por meio de cirurgia.

 

A melhor técnica cirúrgica é a histeroscopia realizada no centro cirúrgico.

 

A mulher é sedada e o colo uterino é dilatado para a colocação de uma câmera dentro do útero.

 

Após a identificação do pólipo, realiza-se a retirada completa por meio de um equipamento chamado ressectoscópio. 

 

É um procedimento rápido, com baixíssima taxa de complicações. Não há cortes nem cicatrizes.

 

A alta hospitalar acontece no mesmo dia do procedimento e o retorno para as atividades cotidianas pode ser realizado no dia seguinte.

 

Uma outra possibilidade é a realização da curetagem uterina, mas este procedimento não é mais realizado em grandes centros, devido a superioridade da histeroscopia cirúrgica.

 

Ginecologista especialista em pólipo endometrial
Pólipo uterino identificado no exame de ultrassom transvaginal em uma mulher na menopausa, com a vascularização típica em pedículo único.

Pólipo ou mioma submucoso

Quando o ultrassom identifica um nódulo dentro do endométrio, as duas principais possibilidades são o pólipo endometrial e mioma submucoso.

 

O mioma submucoso é um mioma que fica no interior do endométrio e pode ser semelhante ao pólipo.

 

O tratamento tanto para o pólipo como para o mioma é a retirada por histeroscopia, já que os sintomas são os mesmos, mas geralmente com maior sangramento nos casos de mioma.

 

Pólipo é um nódulo macio, composto de tecido endometrial, enquanto o mioma é um nódulo duro, composto do músculo uterino, o miométrio.

Remédio para pólipo

Não existe nenhum tipo de tratamento medicamentoso que consiga eliminar o pólipo endometrial.

 

Ginecologista especialista em pólipo endometrial

Dr. Fernando Guastella é cirurgião ginecológico pela USP e especialista em cirurgias minimamente invasivas, como a histeroscopia para a retirada de pólipos e miomas.

 

Agora que você já sabe um pouco sobre Pólipo Endometrial, agende uma consulta.

 

 

                                                          kyleena

 

Referências bibliográficas

  1. O risco de malignidade em pólipos uterinos: uma revisão sistemática e metanálise. https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/31009859/.
  2. Pólipo endometrial. https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/32491756/;
  3. Papel dos hormônios em lesões uterinas benignas comuns: pólipos endometriais, leiomiomas e adenomiose. https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/32406027/;
  4. Pólipos endometriais: patogênese, sequelas e tratamento. https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/31105939/;
  5. Mayoclinic.org;
  6. Wikipedia;
  7. Clevelandclinic.org.
Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp

Cuide-se.
Tire todas as
suas dúvidas.

4 Comentários “Pólipo endometrial: dos sintomas ao tratamento

    1. O risco do pólipo ser maligno é muito baixo, mas não é zero. Se você tiver sintomas como sangramento, discuta retirar o pólipo.

  1. Matéria super interessante, descobri recentemente que tenho Pólipo endometrial. Tenho um fluxo super intenso, acompanhando de cólicas fortíssimas (impossibilitando inclusive de sair de casa), diarréia, dores nos membros inferiores e ânsia de vômito.
    Espero que pelo menos o fluxo e a cólica desapareça após a cirurgia. Parabéns pela matéria esclarecedora.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *