Blog

Endometriose Profunda: sintomas, diagnóstico e tratamento

Endometriose Profunda

Endometriose profunda: sintomas, diagnóstico e tratamento.

Endometriose profunda é definida quando a infiltração da endometriose no peritônio é maior ou igual a 5 mm ou sempre que acomete outros órgãos, como o intestino, bexiga e vagina.

 

Peritônio é uma fina membrana que envolve todos os órgãos da barriga.

O que é endometriose

Endometriose é uma doença caracterizada pela presença de células do endométrio fora do útero. 

 

A endometriose acomete cerca de 10% das mulheres durante o período reprodutivo, ou seja, durante o período em que as menstruações ocorrem.

Tipos de endometriose

Existem 8 tipos de endometriose

  • Superficial;
  • Intermediária;
  • Profunda;
  • No ovário (endometrioma);
  • Cicatriz cirúrgica (cesárea);
  • Umbilical;
  • Inguinal;
  • Torácica.

Endometriose superficial

Endometriose superficial é definida quando a doença no peritônio é menor que 1 mm na profundidade.

 

Por apresentar pouca invasão na superfície do peritônio, geralmente a endometriose superficial não é diagnosticada pelos exames de imagem, como a ressonância magnética ou a ultrassonografia transvaginal com preparo intestinal.

 

Na maior parte das pacientes a endometriose superficial não determina sintomas importantes e é o tipo mais comum da doença.

Endometriose intermediária

A endometriose intermediária é definida quando a doença invade o peritônio entre 2 e 4 mm.

 

Este tipo de endometriose pode ser identificado pelos métodos de imagem, como o ultrassom transvaginal e a ressonância magnética.

 

Habitualmente não se utiliza a nomenclatura endometriose intermediária nos laudos e considera-se para fins práticos que quando um foco de endometriose é identificado, deve ser chamado de endometriose profunda, já que a endometriose superficial não é diagnosticada.

Endometriose profunda

Os locais mais comuns de endometriose profunda são:

  • Atrás do colo do útero;
  • Ligamento útero sacro;
  • Intestino;
  • Vagina;
  • Bexiga.

Sintomas

A endometriose profunda pode apresentar diferentes sintomas, dependendo do órgão acometido.

 

Os principais sintomas são:

  • Cólica no período menstrual (leve, moderada, mas principalmente intensa);
  • Dor pélvica crônica;
  • Dor durante as relações sexuais especialmente na profundidade;
  • Diarreia ou constipação ou dor para evacuar no período menstrual;
  • Dor para urinar durante o período menstrual;
  • Sensação de evacuação incompleta;
  • Dor na cicatriz da cesárea (endometriose de parede abdominal);
  • Saída de secreção, sangue ou dor no umbigo (endometriose umbilical);
  • Dor no ombro direito durante a menstruação (endometriose no diafragma);
  • Infertilidade, independentemente de sintomas dolorosos;
  • Distensão abdominal;
  • Fadiga crônica;

Diagnóstico

O diagnóstico da endometriose profunda deve ser suspeitado clinicamente na presença de pelo menos um dos sintomas acima ou pelo toque vaginal realizado por um ginecologista.

 

O toque vaginal consegue detectar cerca de 70% das lesões de endometriose profunda localizada atrás do colo uterino, local mais comum da doença.

 

Ultrassom transvaginal com preparo intestinal para o diagnóstico da endometriose profunda

O ultrassom transvaginal com preparo intestinal é o melhor método para o diagnóstico da endometriose profunda.

 

Diversos artigos científicos têm demonstrado que o exame possui uma capacidade diagnóstica entre 90 e 100%, quando realizado por um especialista em endometriose e deve ser o exame inicial na mulher com sintomas de endometriose.

 

O exame deve ser realizado tanto pela via transvaginal quanto pelo abdome, para diagnosticar as formas mais comuns e raras da doença.

 

A limitação do ultrassom transvaginal com preparo intestinal na endometriose profunda acontece em úteros grandes, endometriose no diafragma e lesões que acometem os nervos na pelve.

Ressonância magnética para o diagnóstico de endometriose profunda

ressonância magnética da pelve é um exame muito solicitado para o diagnóstico e estadiamento das mulheres com suspeita de endometriose profunda.

 

O exame possui a capacidade de avaliar toda a pelve, com excelente resolução de imagem.

 

A capacidade diagnóstica para a ressonância magnética é em torno de 90 a 100%, quando realizada por um radiologista especialista em endometriose.

 

A limitação da ressonância magnética para o diagnóstico de endometriose profunda acontece na endometriose intestinal de pequenas dimensões e na pesquisa de aderências entre as estruturas na pelve.

 

Lesões de endometriose intermediária por vezes podem ser identificadas somente pelo ultrassom transvaginal.

Qual exame é o melhor para endometriose profunda?

Os exames isoladamente são semelhantes na taxa de detecção da doença, mas um estudo científico recente, demonstrou que a melhor situação é realizar o ultrassom transvaginal com preparo intestinal e a ressonância magnética da pelve.

 

Quando ambos os exames são realizados a taxa de detecção é próxima de 100%, pois um exame complementa os pequenos pontos fracos do outro.

Tratamento

O tratamento da endometriose profunda deve levar em consideração:

  • Intensidade dos sintomas;
  • Localização e grau de estadiamento;
  • Desejo reprodutivo imediato e futuro;
  • Satisfação e opinião da paciente com o tratamento escolhido, inclusive durante o acompanhamento.

Todas as alternativas de tratamento devem ser levadas em consideração e explicadas à mulher, como a cirurgia de endometriose, o tratamento hormonal, procedimentos de fertilização e tratamentos alternativos.

Quando é realizado este tipo explicação, cerca de 70% das vezes a cirurgia de endometriose não é realizada, pois os sintomas podem ser bem controlados clinicamente e a mulher consegue ter boa qualidade de vida.

Prevenção

Quando se realiza uma pesquisa nas bibliotecas em saúde se encontram poucas medidas efetivas para a prevenção primária da endometriose profunda.

Recomenda-se para todas as mulheres controle do stress, alimentação saudável, atividade física e sono de boa qualidade.

Não existem estudos para determinar se o bloqueio da menstruação diminui a chance do aparecimento da doença.

Existem estudos que demonstram que o uso de hormônios que impedem a menstruação, diminui a chance do retorno da doença em mulheres que receberam o tratamento cirúrgico.

Infertilidade e endometriose profunda

A infertilidade está presente em cerca de 30-50% das mulheres com a doença.

A infertilidade é determinada por obstrução das trompas pela endometriose ou pelo processo inflamatório crônico na pelve, que dificulta a implantação do bebê no útero.

Um casal que apresenta infertilidade em decorrência da endometriose profunda tem duas alternativas principais.

  • Fazer o tratamento cirúrgico da endometriose e depois tentar engravidar espontaneamente;
  • Realizar um procedimento de reprodução assistida.

A decisão tem que ser do casal, após entenderem os prós e contras.

Fatores a favor da cirurgia antes da fertilização in vitro (FIV):

  1. Resolução dos sintomas dolorosos;
  2. Possibilidade de engravidar espontaneamente após a cirurgia;
  3. Pacientes que não aceitariam engravidar por procedimentos de FIV;
  4. Pacientes que já fizeram FIV e não conseguiram engravidar.

Fatores a favor da FIV como primeira opção.

  1. Mulheres sem sintomas dolorosos a FIV trata a infertilidade, consideração importante, pois mulheres sem sintomas de dor não deveriam ser operadas;
  2. Pacientes bem controladas clinicamente com hormônios, após a gestação poderão retomar as medicações, sem a necessidade de cirurgia.
  3. Possibilidade de não engravidar espontaneamente após a cirurgia e atrasar a gestação por FIV.
  4. Diminuição da reserva ovariana em decorrência da cirurgia.

A decisão, portanto, deve ser do casal e o ginecologista deve estar disponível para responder todos os questionamentos.

Gravidez e endometriose profunda

Endometriose e gravidez é um questionamento frequente no consultório.

Evidências científicas demonstram que mulheres com endometriose apresentam maior risco para parto prematuro, bebê pequeno, abortamento e placenta baixa.

Embora estes riscos sejam aumentados é importante ressaltar que o mais provável é que tudo dê certo.

No início da gestação é importante também ficar atento a possibilidade de gestações fora do útero, a chamada gestação ectópica, mais comum em mulheres com endometriose profunda.

Agora que já sabe um pouco sobre endometriose profunda, conheça o Dr. Fernando Guastella e agende uma consulta com um especialista.

                                                 kyleena

 

Médico ginecologista especialista em endometriose profunda
Dr. Fernando Guastella, ginecologista pela USP e especialista em endometriose profunda.

 

Você sabe o que é ginecologia integrativa?

 

Referências bibliográficas (fontes)

  1. Endometriose pélvica profunda infiltrativa: histologia e significado clínico. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/2140994;
  2. Diretriz ESHRE: Manejo de Mulheres com Endometriose. https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/24435778/;
  3. Acurácia da ultrassonografia transvaginal versus ressonância magnética no diagnóstico da endometriose retossigmóide: revisão sistemática e metanálise. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/30964888;
Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp

Cuide-se.
Tire todas as
suas dúvidas.

3 Comentários “Endometriose Profunda: sintomas, diagnóstico e tratamento

  1. Pena que as vezes sofremos tanto tempo para termos um diagnóstico correto. Sofri muitos anos com endmetriose e ouvi de vários médicos que colica era normal, tem mulheres que sofrem mais do que outras..nunca apareceu em nenhuma ultrassonografia que fiz, só veio o diagnóstico em na ressonância, fiz a cirurgia e hoje me sinto muito bem e uma outra mulher…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *