Blog

Endometrioma no ovário: principais tratamentos

Ginecologista Especialista em Endometrioma

Endometrioma no ovário: principais tratamentos

Este texto explica o que é endometrioma no ovário, sintomas, como realizar o diagnóstico e os principais tratamentos.

O que é endometrioma no ovário

Endometrioma é um cisto de endometriose que se forma no interior do ovário.

 

O conteúdo do endometrioma é formado por sangue, proveniente dos sangramentos recorrentes das lesões de endometriose, presentes na parede do cisto.

 

Endometriose é uma doença caracterizada pela presença de células do endométrio fora do útero. 

 

A endometriose acomete cerca de 10% das mulheres durante o período reprodutivo, ou seja, durante o período em que as menstruações ocorrem.

 

Quase sempre a endometriose no ovário está associada a outros focos de endometriose profunda.

 

O endometrioma de ovário é um dos tipos de endometriose.

 

Endometrioma no ovário.

Locais mais frequentemente acometidos por endometriose

  • Ligamentos uterossacros e região retrocervical;
  • Intestino;
  • Vagina;
  • Bexiga;

Locais menos comuns.

Sintomas do endometrioma

Os sintomas do endometrioma de ovário geralmente são decorrentes dos outros focos de endometriose, comumente encontrados na endometriose ovariana.

 

Os principais sintomas são:

Ginecologista Especialista em Endometrioma

Diagnóstico do endometrioma

O diagnóstico do endometrioma de ovário geralmente é realizado sem dificuldades pelo ultrassom transvaginal simples.

 

Toda vez que um ultrassom simples identificou um endometrioma, é fundamental a complementação com um exame mais específico, como o ultrassom transvaginal com preparo intestinal ou a ressonância magnética.

Ultrassom transvaginal com preparo intestinal para o diagnóstico do endometrioma

O ultrassom transvaginal com preparo intestinal deve ser o exame de primeira linha para o diagnóstico e estadiamento da endometriose profunda e ovariana.

 

Em situações específicas, porém, a ressonância magnética pode ser utilizada para complementar a pesquisa da endometriose.

 

Vantagens do ultrassom transvaginal:

 

Melhor acurácia para lesões nos ligamentos uterossacros, endometriose intestinal e pesquisa de aderências pélvicas.

Endometrioma de ovário
Ultrassom transvaginal demonstrando um endometrioma

Ressonância magnética para o diagnóstico da endometriose no ovário

A ressonância magnética da pelve é um excelente exame para o diagnóstico e estadiamento da endometriose e pode ser utilizada como complemento da ultrassonografia, especialmente para a endometriose no diafragma e no assoalho pélvico.

Tratamento do endometrioma

O tratamento do endometrioma de ovário deve levar em consideração a intensidade dos sintomas, a localização dos outros de endometriose e do desejo reprodutivo.

 

É importante também a satisfação e opinião da paciente com o tratamento escolhido.

 

Todas as alternativas de tratamento devem ser levadas em consideração, como o tratamento hormonal, cirurgia de endometriose, procedimentos de fertilização, a  ablação com álcool guiado por ultrassom.

Tratamento do endometrioma com hormônios

O objetivo do tratamento hormonal é eliminar o efeito do estrogênio sobre a endometriose, pois este hormônio é o responsável pela evolução da doença.

 

Para alcançar este objetivo pode-se utilizar medicamentos que diminuem a produção do estrogênio, ou medicamentos que bloqueiam os efeitos do estrogênio nos tecidos.

 

O endometrioma apresenta excelente resposta com o tratamento hormonal.

 

Diversos estudos têm demonstrado redução, ou até mesmo o desaparecimento do endometrioma com o uso de progesteronas, especialmente o dienogeste, ou da associação de progesterona e estrogênio.

 

Para mulheres sem desejo reprodutivo imediato, é uma ótima alternativa.

 

É importante destacar que os DIUs hormonais Mirena® e o Kyllena®, não devem ser utilizadas por mulheres com endometrioma, pois não agem nos focos ovarianos.

 

Ginecologista Especialista em Endometrioma

 

Cirurgia para endometrioma

O tratamento cirúrgico do endometrioma de ovário quase sempre é decorrente dos sintomas relacionados com a endometriose profunda associada.

 

A principal indicação da cirurgia é a dor, que não melhorou de maneira significativa com o tratamento hormonal.

 

Uma outra indicação de cirurgia em mulheres com endometrioma é na suspeita de uma transformação maligna de um endometrioma em um tumor de ovário.

 

Alguns endometriomas podem se transformar em tumores malignos, sendo os tumores mais comuns o carcinoma de células claras e o carcinoma endometrioide. 

 

A possibilidade de tumor deve ser considerada sempre que for identificada papilas vascularizadas no interior dos endometrioma.

 

O diagnóstico destas papilas pode ser realizado pelo ultrassom transvaginal e pela ressonância magnética.

 

Alguns centros têm sugerido cirurgia quando o endometrioma for maior que 6 cm, mesmo sem sintomas significativos.

 

Toda cirurgia para tratamento de um endometrioma determina diminuição da reserva ovariana, ou seja, da quantidade total de óvulos que a mulher possui e, portanto, esta informação precisa ser discutida com a paciente, antes da decisão cirúrgica.

 

O tratamento hormonal da endometriose ovariana após a cirurgia diminui a chance de recidiva da endometriose.

Tratamento do endometrioma com álcool

Um tratamento muito eficiente e minimamente invasivo para o endometrioma é a aspiração do conteúdo do cisto por uma agulha, guiada pela ultrassonografia transvaginal e a na sequência a ablação do cisto com álcool absoluto.

 

Diversos estudos têm demonstrado que a alcoolização do endometrioma é eficaz no tratamento da endometriose ovariana, com taxas de recidiva que variam de 0 a 8%.

 

Quando comparado com a cirurgia, determina menor redução da reserva ovariana e também reduz sintomas de dor pélvica.

 

O tratamento é realizado sob sedação, têm duração de aproximadamente 30 minutos, com alta entre 2 e 3 horas após o procedimento e retorno às atividades cotidianas em 2 dias.

 

Deve ser sempre considerada na presença de endometriose ovariana em mulheres com desejo reprodutivo, quando não houve resposta significativa com o tratamento hormonal.

Infertilidade e endometriose

A infertilidade está presente em cerca de 30-50% das mulheres com endometriose profunda.

 

O mecanismo da infertilidade é a obstrução das trompas pela endometriose ou pelo processo inflamatório crônico na pelve, que dificulta a implantação do bebê no útero.

 

Um casal que apresenta infertilidade em decorrência da endometriose tem duas alternativas principais.

  • Fazer o tratamento cirúrgico da endometriose e depois tentar engravidar espontaneamente;
  • Realizar um procedimento de reprodução assistida.

 

A decisão tem que ser do casal, após entenderem os prós e contras. 

Fatores a favor da cirurgia antes da fertilização in vitro (FIV):

  1. Resolução dos sintomas dolorosos;
  2. Possibilidade de engravidar espontaneamente após a cirurgia;
  3. Pacientes que não aceitariam engravidar por procedimentos de FIV;

Fatores a favor da FIV como primeira opção.

  1. Pacientes bem controladas clinicamente com hormônios, após a gestação poderão retomar as medicações, sem a necessidade de cirurgia.
  2. Diminuição da reserva ovariana em decorrência da cirurgia, especialmente nas mulheres com endometriose no ovário.

 

A decisão, portanto, deve ser do casal e o ginecologista deve estar disponível para responder os questionamentos.

Gravidez e endometriose

Endometriose e gravidez é um questionamento frequente no consultório.

 

Evidências científicas demonstram que mulheres com endometriose apresentam maior risco para parto prematuro, bebê pequeno, abortamento e placenta baixa.

 

No início da gestação é importante também ficar atento a possibilidade de gestações fora do útero, a chamada gestação ectópica, mais comum em mulheres com endometriose.

 

Embora existam riscos é importante destacar que o mais provável é que tudo dê certo com a gestação. 

 

Médico Ginecologista Especialista em Endometrioma de Ovário

 

Agora que você já sabe um pouco sobre Endometrioma de Ovário, agende uma consulta.

 

                                                      kyleena

 

 

Referências bibliográficas (fontes)

  1. Diretriz ESHRE: Manejo de Mulheres com Endometriose. https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/24435778/;
  2. Dienogest ou acetato de noretindrona para o tratamento de endometriomas ovarianos: podemos evitar a cirurgia? https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/31132690/;
  3. Acurácia da ultrassonografia transvaginal versus ressonância magnética no diagnóstico da endometriose retossigmóide: revisão sistemática e metanálise. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/30964888;
  4. Terapia adjuvante de longo prazo para a prevenção da recorrência de endometrioma no pós-operatório: uma revisão sistemática e meta-análise. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/22646295;
  5. Ablação da endometriose ovariana com álcool: revisão sistemática e metanálise. https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/28579409/;
  6. Endometriose e complicações obstétricas: revisão sistemática e metanálise. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/28874260.
Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp

Cuide-se.
Tire todas as
suas dúvidas.

2 Comentários “Endometrioma no ovário: principais tratamentos

  1. Sofro a uns 4 anos com cólicas forte e todos os sintomas da endometriose achei um médico que poderia me ajudar fiz muitos exames e nnca dá nada ..dps de muita dor o médico resolveu fazer uma mini cirurgia pra vê oq era . Diz ele que tenho endometriose atrás do utero só que eu continuo sentindo dores fortes já faz 2 anos que fiz a cirurgia a pouco tempo coloquei um diu Kylena tô me sentindo péssima com dores horríveis.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *