Blog

Ginecologista Especialista em Adenomiose

Especialista em Adenomiose

Neste texto o Dr. Fernando Guastella, ginecologista especialista em adenomiose, explica os conceitos fundamentais que devem ser aplicados para tratamento da adenomiose

O que é Adenomiose

adenomiose é uma doença em que as células do endométrio invadem a musculatura do útero.

 

A prevalência de adenomiose varia entre 30 e 60% das mulheres durante o período reprodutivo, ou seja, é uma doença muito comum.

 

Mulheres com adenomiose apresentam mais chance de apresentarem endometriose, desta forma, exames especializados devem ser sempre solicitados para investigação de ambas as doenças. 

Sintomas da adenomiose

A adenomiose não determina sintomas em cerca de 30% das mulheres. Os sintomas dependem do tipo de adenomiose e da intensidade da doença.

 

Os principais sintomas das mulheres com adenomiose são:

  • Sangramento aumentado;
  • Cólica menstrual;
  • Útero de dimensões aumentadas;
  • Dor durante as relações sexuais na profundidade;
  • Infertilidade;
  • Distensão abdominal.

Tipos de adenomiose

A adenomiose pode ser classificada em difusa ou focal.

 

A forma difusa acomete todo o útero e a forma focal somente uma parte do útero.

 

A importância na definição do tipo de adenomiose é em decorrência do tratamento, pois o adenomioma pode ser retirado cirurgicamente, enquanto na forma difusa não.

 

Adenomioma é um tipo específico de adenomiose focal, na forma de um nódulo, porém com glândulas endometriais em seu interior.

 

Outra maneira de classificar a adenomiose é em relação a profundidade de invasão no miométrio. Quando a invasão é menor que um terço da parede uterina é chamada de superficial e, quando maior que um terço, é chamada de adenomiose profunda.

Fatores de risco e causas da adenomiose.

Os fatores de risco para adenomiose são cirurgias prévias no útero, como a retirada de mioma (miomectomias), curetagens, cesáreas, ou ainda malformações congênitas do útero.

 

Na maior parte das mulheres, porém, não se identifica uma causa definida e fatores genéticos também são importantes, existindo uma tendência familiar para a doença.

Diagnóstico da adenomiose

A adenomiose pode ser diagnosticada pelo ultrassom transvaginal ou pela ressonância magnética.

 

Embora a adenomiose frequentemente determine aumento das dimensões uterinas, nem sempre este acho está presente, especialmente nas formas mais iniciais da doença.

 

O preparo intestinal realizado para o exame de endometriose não precisa ser realizado, embora seja interessante, pela associação da doença com a endometriose.

 

O CA-125 é um exame de sangue que pode estar aumentado nas mulheres com adenomiose, mas valores normais não excluem a doença.

 

A dosagem do CA 125 isolada não traz informações importantes, pois este exame pode estar aumentado em diversas situações, como na endometriose, miomas, infecções uterinas, câncer de ovário e algumas vezes não se identifica um motivo para este aumento.

Por que procurar um ginecologista especialista em adenomiose?

O tratamento inicial da adenomiose deve ser sempre clínico, mas nas falhas do tratamento clínico estão indicados os procedimentos cirúrgicos.

 

O médico especialista em adenomiose deve ter formação em ginecologia e ser especialista em procedimentos minimamente invasivos, como a histeroscopia, laparoscopia e a cirurgia robótica.

 

O especialista poderá discutir todas as opções de tratamento minimamente invasivos, pois o melhor tratamento é aquele que você participa da escolha, após saber as vantagens e desvantagens de cada tipo de abordagem.

Principais medicações utilizadas no tratamento clínico da endometriose

  • Progestágenos de uso contínuo por via via oral como dienogeste e o desogestrel;
  • DIU Mirena® e DIU Kyleena®;
  • Implante hormonal como o implanon®;
  • Implante de gestrinona;
  • Pílula anticoncepcional;
  • Antifibrinolíticos;
  • Antinflamatórios;
  • Orientação nutricional e reposição de ferro e vitaminas.

 

Para a escolha da medicação é fundamental uma ampla explicação do especialista em mioma sobre o mecanismo de ação, os benefícios e efeitos colaterais de cada medicação, para que a paciente escolha o medicamento junto com o ginecologista.

 

A opinião da paciente é fundamental, pois os tratamentos serão de longo prazo.

Principais opções cirúrgicas no tratamento da adenomiose

  • Ablação endometrial;
  • Histerectomia (retirada do útero).

 

Dr. Fernando Guastella é ginecologista pela USP, especialista no tratamento clínico e em cirurgias minimamente invasivas.

 

Entre em contato.

Referências bibliográficas

Adenomiose uterina: patogênese, diagnóstico, sintomatologia e tratamento. https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/31324117/

Uma revisão crítica dos avanços recentes no diagnóstico, classificação e tratamento da adenomiose uterina. https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/31192829/

Avanços recentes na compreensão e tratamento da adenomiose. https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/30918629/

Share on facebook
Share on twitter
Share on google
Share on whatsapp

Cuide-se.
Tire todas as
suas dúvidas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *